AVISO

INFORMAÇÕES SOBRE O PRODUTO

Produto sem informação

R$87.95 R$82.67 4x de R$ 20.67 sem juros
-
+

Preço para o cep 90620-130

A disponibilidade e os preços dos produtos podem mudar de acordo com a sua localidade! (Alterar)

Não sei meu CEP

BULA

Inibina®


Cloridrato de isoxsuprina


Uso oral


Uso intravenoso/intramuscular


Uso adulto



Formas farmacêuticas e apresentações - Comprimidos de 10 mg: Caixas com 20 e 30 comprimidos. Solução injetável 10 mg/2 ml: Caixas com 5 e com 25 ampolas.


Indicacões do medicamento - Como relaxante uterino: Ameaça de aborto e ameaça de parto prematuro. Como vasodilatador periférico: Arteriosclerose obliterante, tromboangite obliterante (doença de Burger), doença de Raynaud, distúrbios vasculares periféricos oriundos de varizes, acrocianose, espasmos vasculares e sintomas associados à insuficiência cerebrovascular.


Contra-indicações - Em presença de hemorragia arterial recente, angina de peito severa, insuficiência cardíaca congestiva, tireotoxicose, anemia severa, descolamento prematuro da placenta, ou imediatamente após o parto. A administração parenteral deve ser evitada em pacientes portadores de hipotensão ou taquicardia. Não deve ser utilizado na manutenção de parto prematuro quando houver problemas cardíacos (associados a arritmias), hipertireoidismo, corioamnionites (devido a infecção uterina), hemorragia, morte fetal intra-uterina, eclâmpsia, hipertensão pulmonar, diabetes mellitus e hipertensão. Para pacientes em geral, não deve ser indicado nos seguintes casos: desordens sangüíneas, doença cerebrovascular severa, infarto do miocárdio recente, doença arteriocoronária obliterativa severa e glaucoma.


Precaucões e advertências - Em caso de aparecimento de exantemas graves durante terapia com INIBINA (cloridrato de isoxsuprina), o seu uso deve ser descontinuado. Na ameaça de parto prematuro, a paciente deve ser mantida em posição lateral durante a administração do produto por infusão, sendo que não são obtidos resultados significativos em casos com membranas rotas e dilatação do colo excedendo 4 cm. A administração endovenosa de INIBINA (cloridrato de isoxsuprina) deve ser feita somente sob forma diluída (infusão), a fim de se prevenir possível queda de pressão arterial; caso ocorra hipotensão excessiva, deve-se diminuir a velocidade da infusão. Uma eventual hipotensão brusca pode ser contrabalanceada por 5 U. de oxitocina gota a gota. A isoxsuprina atravessa a barreira placentária e pode causar taquicardia no neonato. O uso intravenoso para prevenção de parto prematuro pode aumentar a incidência de hipoglicemia, hipocalcemia e hipotensão no neonato. A incidência de toxicidade está relacionada diretamente com as concentrações sangüíneas de isoxsuprina no neonato, que são afetadas pelo tempo de gestação e pelo intervalo entre a administração e o parto (com consideração à velocidade de eliminação da droga).


Interações medicamentosas - Recomenda-se aos pacientes não fumar, pois a nicotina provoca constrição nos vasos sangüíneos. Não foram relatadas interações com outras drogas.


Reações adversas - Foram relatados mais freqüentemente com uso parenteral, tontura, fraqueza, taquicardia, hipotensão, náuseas e vômitos. Muito raramente podem ocorrer dores torácicas, diminuição da respiração, eritemas, exantemas graves e dores abdominais.


Posologia - Como relaxante uterino: Ameaça de aborto e parto prematuro: Tratamento inicial: Infusão endovenosa com 10 ampolas de INIBINA (cloridrato de isoxsuprina) diluídas em 500 ml de soro glicosado a 5%, iniciando com 20 a 30 gotas por minuto; aumentar gradativamente até 50 gotas/min, até cessarem as contrações uterinas. Quando a via endovenosa não for recomendada, iniciar com 1 a 2 ampolas, por via intramuscular, prosseguindo com 1 ampola a cada meia hora. Tratamento de manutenção: Injetável: Cessadas as contrações uterinas, aplicar inicialmente 1 ampola de INIBINA (cloridrato de isoxsuprina) a cada 4 horas e posteriormente a cada 6 horas, durante 4 a 8 dias ou, se necessário, por 6 semanas. Comprimidos: Após 48 horas do término das contrações uterinas, administrar 1 comprimido de INIBINA (cloridrato de isoxsuprina), 4 vezes ao dia, durante 2 semanas. Contrações uterinas tetânicas: Tratamento inicial: Infusão endovenosa com 10 ampolas de INIBINA (cloridrato de isoxsuprina) diluídas em 500 ml de soro glicosado a 5%, infundindo de 10 a 40 gotas/min. Tratamento de manutenção: Cessadas as contrações tetânicas, administrar 1 ampola de INIBINA (cloridrato de isoxsuprina), por via intramuscular, repetindo a aplicação a cada meia hora, se necessário.


Venda Sob Prescrição Médica.


Registro no M.S. 1.0118.0088.


APSEN Farmacêutica S/A.

ADVERTÊNCIA DE USO:
A PERSISTIREM OS SINTOMAS, O MÉDICO DEVERÁ SER CONSULTADO.